Aero Latam Ecuador

O Equador volta a voar

O governo equatoriano decidiu abrir os aeroportos, apesar da pandemia do Covid-19.

 

Por Florencia Lucero Heguy

 

Atualmente, o Equador ocupa o lugar de 28º país com maior número de pessoas infectadas pelo Covid-19 – 67.870 casos, e cinco mil mortes.

O COE (Comitê de Operações de Emergência) do Equador optou em reativar os voos domésticos, suspensos desde o dia 16 de março para evitar a propagação do vírus, em 1º de junho, tornando-se o primeiro país da região a voar novamente. A rota com maior demanda é a Quito-Guayaquil, e essa foi retomada em 15 de junho.

Para a reabertura, foram tomadas medidas de biossegurança como medida de prevenção e propagação do COVID-19. Todos são obrigados a usar máscaras, com a tripulação ainda usando luvas e mantendo o distanciamento dos passageiros

Apesar dos filtros de ar dos aviões reterem 99% das partículas, as companhias aéreas optaram em fazer uma desinfecção profunda dentro da aeronave antes e no final de cada voo.

O Ministério dos Transportes do Equador definiu que os passageiros podem voar se apresentarem teste negativo para COVID-19 feito no máximo 72 horas antes da viagem, acompanhado por um certificado emitido pelo Ministério da Saúde.

A medida pode afetar o processo de reativação de voos, uma vez que o custo dos exames é arcado pelo passageiro. Por outro lado, para que não haja queda na ocupação dos voos, que poderia ser afetada em 30%, as empresas não precisam deixar os assentos livres.

Em relação ao serviço de bordo, os produtos são entregues embalados para diminuir a interação entre os tripulantes e os passageiros.

A IATA explicou que as medidas buscam construir confiança nos governos para permitir a abertura de fronteiras para viagens aéreas e também em passageiros que desejam voar novamente.

É importante destacar que entre os aeroportos de Quito e Guayaquil são gerados mais de 15 mil empregos diretos, sem contar os indiretos que incluem turismo, negócios, exportação, etc.

Em pouco tempo, o Covid-19 ceifou milhares de vidas humanas e milhões de empregos em todo o mundo, e um dos mercados que mais sofre é a indústria da aviação. Por isso, o Equador decidiu voar novamente, com o objetivo de reativar as economias que andam de mãos dadas com a aviação regional.