Aero Latam

Avioandes, a companhia que conecta os campos de petróleo e mineração

Conhecemos a empresa equatoriana que une os campos de mineração e petróleo com Quito para suprir duas das atividades produtivas mais importantes do Equador.

Por Florencia Lucero Heguy

A Aero-Latam quis saber mais sobre o mercado aéreo equatoriano e é por isso que entrevistamos o Capitão Pablo Ochoa Iñiguez, gerente geral da Avioandes. A companhia trabalha especialmente com empresas de mineração e petróleo, levando seus funcionários para os campos de exploração onde as companhias aéreas não voam. Por outro lado, são locais de difícil acesso por terra, em geral na região amazônica, o que torna o avião fundamental para essas operações.

Quando a empresa foi fundada?

A empresa foi formada em 5 de dezembro de 2007.

E a quais voos se dedicam?

Dedicamo-nos ao que são operações aéreas de transporte de carga e passageiros em aviões e helicópteros.

Como é a sua operação?

Nosso hub, nossa base de operações, é Quito, a capital do país, e trabalhamos dentro do território equatoriano. As operações de helicópteros são basicamente orientadas para a parte leste do país, que é a região andina onde estão as operações de petróleo e de mineração. Por outro lado, quando se trata de transporte com aviões, nós voamos para todas as regiões do país, chegando em cidades onde não há serviço aéreo regular. O voo mais longo que temos é para a cidade de Loja, localizada no sul do Equador, que dura pouco mais de uma hora. O restante dos destinos são voos mais curtos.

Capitão Pablo Ochoa Iñiguez, gerente geral da Avioandes, com um de seus
aviões

Em outras palavras, vocês chegam onde as outras empresas não operam?

Fazemos voos diários para diferentes áreas. Há regiões que são um pouco negligenciadas, como a parte sudeste, onde fazemos quase um voo diário. Nosso trabalho mais importante é com empresas de mineração e petróleo, que são as que geram demanda e têm uma condição desfavorável por parte das grandes companhias aéreas, porque elas não têm frequências para essas áreas. É lá que devemos oferecer o serviço de fretamento.

Quais são as áreas servidas, especificamente?

As zonas de petróleo no nordeste e as de mineração no sudeste do Equador são nossos maiores destinos, pois é onde os aviões comerciais não têm frequência e regularidade.

As empresas fazem fretamento ou já têm seus voos regulares?

Temos contratos com grandes empresas que têm entre mil e duas mil pessoas trabalhando nos acampamentos, com rotatividade diária de pessoal. Existem também empresas que necessitam de serviço de transporte aéreo, mas em menor frequência. Há uma grande variedade de serviços, mas mais de 90% de nossas operações estão em contratos de longo prazo.

Isso é devido à infraestrutura dos lugares?

Em muitos casos, é porque os acessos terrestres são muito complicados e demoram muito tempo. As rotas terrestres são muito fáceis de serem interrompidas, uma vez que, com uma ou duas chuvas, ocorrem os deslizamentos de terra nas estradas, com viagens superiores a 14 horas de duração. É um serviço que, analisado do ponto de vista de custo-benefício, facilita a logística, a economia e a operacionalidade do pessoal para as empresas.

Qual é a frota?

Temos dois Bombardier DHC-8-202 e seis helicópteros da Airbus.

As características da aeronave respondem especificamente a um objetivo?

Nossos aviões STOL são de pequeno médio porte, com capacidade para 37 passageiros, ideais para a demanda dos clientes. Não são as mais adequadas economicamente, mas operam por causa do fator limitador da geografia do Equador, que é muito fragmentada e com muitas montanhas. Além disso, nos permite atender mais empresas em diferentes partes do país.

No helicóptero não temos limitações, já que podemos pousar em todas as bases em qualquer ponto do país, sendo este um fator importante e fundamental para as operações dessas empresas. Nossas operações são bem marcadas quanto à forma como as conduzimos, tanto para aviões quanto para helicópteros.

O que é «Turismo do Ar»?

“Turismo do Ar” é um passeio que oferecemos aos turistas. Através de um helicóptero que temos em uma cidade a apenas 20 quilômetros de Quito, os turistas podem ver, a partir do ar, as atrações que estão na área, como a quantidade de vulcões em atividade, a área dos Andes e a região e Quito.